Project Description

    Azevedo Collective
    Azevedo Collective, formado por alunos do curso de Jazz ESMAE, que durante um ano foram ensinados pelo excelente pianista de jazz, português, Carlos Azevedo. No HARMOS Festival vão tocar algumas músicas que têm trabalhado neste ultimo ano, apresentando clássicos do jazz, principalmente da era Post-bop.

    André Silva, guitarra
    André Silva começou a estudar piano com 6 anos de idade. Com 13 anos pegou numa guitarra para não mais a largar desde então. Completou o curso de jazz do Hot Clube Portugal e frequenta, actualmente o 3º ano do curso superior de guitarra jazz na ESMAE.
    Em 2009 gravou um álbum com o seu antigo grupo Best Before Full Moon. Ainda em 2009 foi seleccionado para integrar a banda residente do espectáculo de dança contemporânea “Vale” dirigido musicalmente por Carlos Bica. Nos anos seguintes organizou, em Lisboa, uma jam session muito popular com importantes músicos convidados tendo tido a oportunidade de tocar com João Moreira, Paula Sousa, Fiipe Melo e Pedro Segundo. É professor de guitarra jazz na Escola de Jazz do Porto desde 2012.


    Filipe Louro, 
    contrabaixo
    A sua primeira paixão foi o piano. Depois de 5 anos a estudar este instrumento começou a identificar-se mais com Jimi Hendrix do que com Robert Schumann e, por isso, começou a tocar guitarra. Durante o seu curso de produção e tecnologias da música começou a tocar baixo eléctrico na banda de um colega ao mesmo tempo que tinha aulas na Escola de Jazz do Porto.
    Dois anos mais tarde começou também a estudar contrabaixo (amor à primeira vista) e foi aceite no curso superior de jazz da ESMAE. Participou em vários workshops do Guimarães jazz festival e no último ano frequentou o Begues Jazz Camp. Estudou com grandes nomes do jazz como Pedro Almiro, João Grilo, André Silva, Pedro Alves, Eduardo Cardinho, José Soares, Ricardo Moreira, Ricardo Coelho, Miguel Sampaio, Lígia Silva, Luís Castro, Cró Neno, Adrian Rey, Rui Guerreiro, João Sêco, apenas para mencionar alguns. “Casou” com o projecto inovador The Rite of Trio.


    José Soares, saxofone
    José Soares nasceu a 16 de Agosto de 1991 na cidade de Luxemburgo. Aos 6 anos começa a estudar música na Banda Filarmónica Santanense (Figueira da Foz), aos 10 anos de idade ingressa no Conservatório de Música David de Sousa, na mesma cidade onde conclui o 5º grau com 18 valores. Em 2007 ingressa na Escola Profissional de Musica de Espinho (Espinho/Portugal) na classe de Saxofone, que conclui em 2011 com 19 valores. Em 2011 entra no curso de jazz da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo no qual ainda é aluno.

     

    Pedro Alves, bateria
    Pedro Alves nasceu em 1991 no Porto, Portugal, e iniciou os seus estudos musicais em 2000. Continuou os seus estudos de bateria e piano clássico até terminar o seu curso de jazz, em 2009, na escola Valentim de Carvalho onde trabalhou com os professores Marco Cavaleiro, João Pedro Brandão, Eurico Costa e Hugo Raro.
    Em 2011 ingressa na ESMAE para os cursos de composição e de jazz tendo optado pelo curso de jazz. Aí estudou com Michael Lauren, Abe Rábade, Nuno Ferreira e Carlos Azevedo. Paralelamente frequentou vários workshops com Danilo Perez, Ben Street, Rudresh Mahanthappa, Greg Osby, Ralph Alessi, Tony Malaby, Jorge Rossy, Peter Bernstein, entre outros tendo também participado em dois concursos em Portugal e Espanha onde arrecadou um 3º e um 1º prémio.

     

    Ricardo Coelho, vibrafone
    Iniciou os estudos de piano aos 4 anos, mais tarde bateria, na escola Valentim de Carvalho.
    Em 2008 concluiu o curso de Percussão do Conservatório de Música do Porto. Frequentou o curso de percussão na ESMAE e, atualmente, o curso de Vibrafone Jazz, orientado por Jeffery Davis, Carlos Azevedo, Nuno Ferreira e Abe Rábade.
    Premiado com: 2º lugar, nível B percussão, concurso interno do CMP (2006); 1º lugar, classe 3 bateria e 1º lugar, classe 3 Caixa (ex aequo), concurso “tum-pa-tum-pa” (2007); 2º lugar (1º não atribuído), classe A vibrafone, 6ª edição da “Giornata della Percussione” (Itália, 2008); 1º lugar, percussão, concurso do Conservatório Regional de Gaia (2008); Menção Honrosa de Melhor Instrumentista, 11ª Festa do Jazz do S. Luiz (2013). Colaborou com: OSP/CdM, FOE, OJ.COM, Orquestra do Norte, OFB, Orquestra MP, BSP, EVPM, musicais “Annie” e “O Despertar da Primavera”.

    Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo, Portugal
    A Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo (ESMAE), pertencente ao Instituto Politécnico do Porto, surge, após a extinção da Escola Superior de Música, com o intuito de alargar a formação de nível superior a outras áreas artísticas, para além da música.
    Assim, formada em Dezembro de 1994, a ESMAE abrange, actualmente, três departamentos: o da Música, onde se dá formação nas mais variadas áreas, tais como instrumento, canto, composição, música antiga, jazz, produção e tecnologias da música; o Departamento de Teatro, que é responsável pela formação no ramo da interpretação, Direcção de cena, cenografia, figurinos, luz e som e o Departamento de Artes da Imagem que toca áreas como a Fotografia, o Cinema, o Audiovisual e o Multimédia.

    Como escola de artes performativas, a ESMAE dá particular atenção à necessidade de proporcionar apresentações e espectáculos dos seus alunos, complemento imprescindível para que se possam cumprir os objectivos dos seus cursos. Estes espectáculos têm como objectivo promover um contacto estreito e permanente entre os jovens artistas e o seu futuro público, que terá assim a oportunidade de os conhecer e de aprender a apreciá-los. Neste contexto, existe na ESMAE um Café Concerto e o Teatro Helena Sá Costa, que são palco de grande parte das apresentações da escola. Paralelamente, a ESMAE tem desenvolvido inúmeras parcerias dando assim aos alunos a oportunidade de mostrarem o seu trabalho fora da escola, nomeadamente através de concertos de música de câmara e orquestra, em Serralves, na Quinta da Bonjóia e no Coliseu do Porto, entre outros.

    A ESMAE tem, actualmente, cerca de 830 alunos e 130 docentes.

    Possui mais de 90 acordos de cooperação internacional e tem participado em vários projectos europeus desde 2003; é parceiro activo nas duas maiores associações europeias de instituições de ensino superior artístico (AEC e ELIA) e parceiro em vários projectos ERASMUS como Operamedia, IICS, SACS, La Follia, Phoenix e é promotora de vários festivais nacionais e internacionais como o HARMOS Classical, o HARMOS Plural, IRI e SET.