Project Description

    Bambi Pang Pang
    Os músicos Seppe Gebruers, Laurens Smet e Viktor Perdieus são todos membros do septeto Ifa y Xango (vencedores do Young Jazz Talent de Gent em 2011), que lançou o primeiro álbum “Abraham” no ano passado. Realizado este trabalho, embarcaram num percurso musical onde procuram mostrar a personalidade de cada um através de estruturas de improvisação originais.
    Iniciaram este projeto apoiados pelo festival ‘Jazz Middelheim’ e pelo Conservatório de Antuérpia. No festival foi possível tocarem com o lendário baterista Andrew Cyrille (que trabalhou com Cecil Taylor, Coltrane, Coleman Hawkins, Mal Waldron,…). Para o HARMOS Plural convidaram o excelente baterista Jakob Warmenbol que toca com Viktor e Laurens na banda Bolhaerd e também tocou com Seppe durante mais de 10 anos.

    Jakob Warnenbol, bateria, alumni
    Jakob Warmenbol (1988) começou a tocar bateria com 12 anos.
    Dois anos mais tarde o seu interesse pelo jazz começou a crescer depois de frequentar uma academia de verão em Dworp (Bruxelas) onde teve aulas com Billy Hart & Dré Pallemaerts, entre outros. Em 2006 iniciou os seus estudos com Dré Pallemaerts no Lemmensinstituut, em Leuven, e participou em vários cursos de aperfeiçoamento com músicos como Adam Nussbaum, Mark Turner, Bill Carrothers, Dave Douglas, Eric Thielemans, Marek Patrman, Dave Liebmann, entre outros. Em 2010 continuou os seus estudos no Conservatório de Antuérpia, comTeun Verbruggen, tendo concluído o curso em 2011.
    Atualmente faz parte de várias bandas: o trio ‘Leksak’ com Johan Graden (piano, Suécia) e Laurens Smet (baixo, Bélgica), um trio com Jean Dousteyssier (clarinete, França) e Lennart Heyndels (baixo, Bélgica), ‘The Unrevealed Society’ (venceu o concurso ‘XL jazz’ em Bruxelas e o ‘Jong Jazztalent Gent’ 2012) com Léo Dupleix (piano, França), Gregor Siedl (saxofone, Áustria) e Pol Belardi (baixo, Luxemburgo), uma banda de afrobeat chamada ‘World Squad’ e uma banda pop/rock chamada ‘Robbing Millions’.
    Teve ainda a oportunidade de trabalhar e atuar juntamente com músicos de renome como Greg Cohen (Jazz Middelheim Festival 2012), Jorrit Dijkstra, John Hollenbeck, Joachim Badenhorst, Sanne Van Hek, Guillaume Orti, Antoine Virard, Ben Sluijs, Erwin Vann, Manolo Cabras, Nic Thys, Augusto Pirodda e muitos outros em vários projetos pontuais.


    Laurens Smet, 
    contrabaixo
    Laurens Smet (1988) começou a tocar baixo elétrico aos 15 anos.
    Mais tarde descobriu o contrabaixo e a música improvisada quando começou a estudar na “Dé Kunsthumaniora”, em Antuérpia, com Piet Verbist. Estudou durante 3 anos no Lemmensinstituut, em Leuven, com Nicolas Thys e Jos Machtel, antes de ser aceite na Royal Music Academy em Estocolmo. Aí teve a oportunidade de estudar com Frederik Ljungkvist, Joakim Milder, David Stackenäs e Klas Nevrin. Presentemente está a concluir o seu mestrado no Conservatório de Antuérpia com Nicolas Thys. Venceu o Gent Jazz Competition em 2011 com a sua banda “Ifa y Xango”. Apresentaram-se no palco principal do Gent Jazz Festival em 2012.
    Foi ainda selecionado para tocar no conceituado clube de jazz Fasching Stockolm com Strinning/Graden/Smet/Nilsson. Teve a oportunidade de ter aulas com Ben Street, Pascal Niggenkemper, Trevor Dunn, Tyshawn Sorey, Lena Willemark, Jim Black, Andrew D’Angelo, entre outros. Atualmente integra várias bandas: Ifa y Xango com quem realizou uma digressão em 2012 e lançou o disco em Outubro de 2012. Leksak trio, um trio com o pianista sueco Johan Graden e o baterista belga Jakob Warmenbol.
    Realizaram uma digressão pelos países do Benelux e em Estocolmo na primavera/verão de 2012. Gravaram um álbum em 2013 que será lançado brevemente. Bolhaerd, um quarteto liderado pelo baterista belga Jakob Warmenbol dedicado à improvisação livre sobre estruturas definidas. Strinning/Graden/Smet/Nilsson. Uma liderança partilhada por todos os elementos de várias nacionalidades. Sebastian Strinning da Suíça, Johan Graden da Suécia, Laurens Smet da Bélgica e Oskar Nilsson da Finlândia.
    Apresentaram-se por diversas vezes em Estocolmo em 2011-2012 no Fasching, Fylkingen e Hellsten.

     

    Seppe Gebruers, piano
    Seppe Gebruers (1990) começou a estudar piano com 8 anos de idade. 4 anos mais tarde começou a ter aulas com o conhecido pianista Belga Jefe Neve e, mais tarde, teve aulas com Kris Defoort, Erik Vermeulen, Bill Carrothers, Jozef Dumoulin, Mark Levine e muitos outros. Seppe começou então a tocar com um trio chamado ‘JazzFact’ (com Jakob Warmenbol e Nathan Wouters). Realizaram inúmeros concertos em clubes, teatros e festivais na Bélgica e venceram o concurso ‘Music Live’ em 2004. No mesmo ano ganhou ainda outros concursos como o ‘Yotam’ e ‘My First Night’.
    Em 2008 ingressou no Conservatório de Antuérpia. Teve aulas de piano clássico com Levente Kende e Heidi Hendrikx e jazz piano com Erik Vermeulen. Foi cofundador de um septeto chamado Ifa y Xango (ifa= sabedoria e xango= fogo). Tocam composições originais suas e dedicam-se ainda à improvisação. Em 2011 a banda arrecadou o primeiro prémio do Jong Jazztalent Gent, organizado pelo Gent Jazz Festival. Um ano mais tarde lançaram o seu álbum de estreia intitulado ‘Abraham’, realizando muitos concertos na Bélgica e recebendo ótimas críticas da imprensa. Foi ainda cofundador do duo de piano ‘Antiduo’ com o seu professor de piano Erik Vermeulen. Gravaram recentemente um disco que será lançado em Setembro de 2013. Também gravou, com a banda pop Mount Meru, o seu CD de estreia ‘Arbre’. Nos últimos anos Seppe também escreveu muita música para peças de teatro da companhia ‘Tibaldus en andere hoeren’. Compôs e interpretou a música para o filme ‘Het zwijgen van Helena’ de Pieter Dumoulin.

     

    Viktor Perdieus, saxofone
    Viktor Perdieus (1986) toca saxofone desde os 8 anos de idade e começou a dedicar-se ao jazz quando tinha 17 anos.
    Depois de um ano preparatório com Bart Defoort ingressou no curso de jazz do Conservatório de Antuérpia com Ben Sluijs e Kurt Van Herk. Começou com o saxofone alto mas viria a trocar para saxofone tenor. Durante o seu mestrado realizou uma mobilidade ERASMUS, de um ano, em Gotemburgo (Suécia) onde teve aulas com Anders Jormin e Thomas Jäderlund. Em Gotemburgo criou várias bandas internacionais como a ‘Elevator Music’, um trio de improvisação com bateria e trombone; e F.O.T.B., um quarteto de jazz moderno com o qual tocou em diversos países. As bandas e os projetos onde Viktor toca podem ser diferentes no estilo e na formação mas improvisação é sempre a palavra-chave quer no contexto do jazz ou mais livre.
    De momento está mais ativo com a banda Ifa y Xango, onde improvisam muitas vezes sobre material por eles criado (composições, melodias, grooves) ou então de forma totalmente livre. Para além desta banda tem um trio de jazz com Jakob Warmenbol e Lennart Heyndels, um duo de improvisação com o baterista Louis Evrard e a banda Bamako Project com o alaudista sueco Filip Bagewitz, com quem toca música com raízes Orientais/Africanas/Indianas. Ainda como compositor, Viktor está constantemente a procurar novos desafios, escrevendo, por exemplo para quarteto de cordas e saxofone tenor.

    Artesis Hogeschool Antwerpen – Koninklijk Conservatorium, Bélgica
    O Conservatório Real de Antuérpia, foi fundado por Peter Benoit em 1898 e foi o primeiro instituto de língua holandesa para o ensino de arte. Durante mais de cem anos, os músicos – instrumentistas, cantores, compositores, maestros e professores – têm obtido aqui formação. Em 1993, a opção de Jazz e Música Popular foi adicionado aos cursos clássicos, mais tradicionais até então. Em 1995, o Royal Flemish Conservatoire tornou-se parte da University College Antwerp (agora Artesis University College Antwerp). Os cursos são organizados de acordo com as disposições do decreto de 13 de Julho de 1994, relativa às universidades e faculdades de ensino superior na Comunidade flamenga. Muitos vencedores do Conservatório Real de Antuérpia deram um grande contributo para a música, tanto naFlandres como internacionalmente. O corpo docente inclui muitos artistas e professores mundialmente famosos  (20% do pessoal docente e discente é estrangeiro).