Project Description

    ,,kons.wien.jazztet”
    Fundado em 1968, o departamento de jazz do Konservatorium Wien University é um dos mais antigos da Europa e a partir de Dezembro de 2008, ganhou um papel ainda mais importante no mundo do jazz através da liderança do saxofonista tenor, compositor e arranjador suíço Roman Schwaller.
    Uma das características específicas deste departamento de jazz é a variedade de dez ensembles diferentes cada um deles trabalhando com o mesmo orientador ao longo de todo o ano académico.

    O kons.wien.jazztet apresenta a sua música original através dos títulos „The Thurgovian Suite“ (2005) e „Further Expectations“ (2007), ambos lançados pela prestigiada etiqueta de jazz TCB – The Montreux, tendo por base uma formação em sexteto que inclui trompete, saxofone tenor e trombone. Roman Schwaller, apesar de não tocar com a banda, arranjou os temas para uma formação do grupo em octeto. O tipo de música que apresentam pode ser chamada de “jazz moderno/standard/vanguardista” já que contém as bases do jazz moderno comum mas com composições e arranjos que vão muito além deste campo com inesperadas extensões e expansões.

    Os membros destes ensemble são o trompetista Ritchie Köster e o pianista Stephan Plecher, ambos alemães originários da Baviera, Martin Gasser saxofonista alto que recentemente terminou a sua licenciatura, o saxofonista tenor Danian Dalla Torre de South Tyrol e o trombonista Lukas Heinzl que, com 21 anos, é o membro mais novo do grupo. O guitarrista Tobias Faulhammer é muito mais do que um simples acrescento à secção rítmica, já que, apesar de ainda ser estudante, irá lançar o primeiro CD em seu nome em breve. O baixista Benjamin Zalud é o “rock” da secção rítmica, assistindo o baterista Peter Primus Frosch que é um dos mais talentosos bateristas da Europa e até do mundo da nova geração!

    Roman Schwaller, líder, professor
    Nasceu a 18 de janeiro de 1957 em Frauenfeld, Suiça. O famoso dicionário alemão de jazz “Reclams Jazzführer” refere-se a ele como “um dos mais reputados do seu instrumento na Europa”. Schwaller trabalhou com músicos como Klaus Weiss, Dusko Goykovich, Joe Haider, Charly Antolini, Dizzy Gillespie, Carla Bley, Buster Williams, Art Farmer, Horace Parlan, Mal Waldron, Isla Eckinger, Fritz Pauer e Conte Candoli, só para mencionar alguns. Entre 1979 e 1989, integrou a famosa Vienna Art Orchestra e entre 1990 e 1993 foi primeiro saxofonista tenor da NDR Radio Big Band em Hamburgo. Integra ou integrou projetos como “Three Generations of Tenorsaxophone” com Johnny Griffin e Sal Nistico (1985 a 1987), sexteto com Mel Lewis (1987), quarteto com Jimmy Cobb (desde 1996), “Nonet” (2001) e um sexteto novo com Adrian Mears e Derrick Gardner (desde 2005), tendo recebido grande reconhecimento internacional. Foi um dos poucos europeus e o primeiro suíço de sempre, a realizar uma tourné com a mundialmente famosa Count Basie Orchestra sob direção de Grover Mitchell na primavera de 1999. Roman Schwaller é fundador e diretor musical da “generations – International Jazzmeeting Frauenfeld”. O seu trabalho tem sido reconhecido com prémios culturais dos quais se destacam o prémio da cidade de Munique, Alemanha (1985), “Abendzeitung” (1987), Canton of Thurgau, Suiça (1990) e da sua cidade natal Frauenfeld (1999). Schwaller vive em Viena, Áustria e gravou mais de 64 LPs e CDs.

     

    Benjamin Zalud, contrabaixo
    Benjamin Zalud nasceu em 1988. Desde o dia que começou a andar que toca bateria e, com 6 anos, teve as suas primeiras aulas de baixo elétrico. Com 16 anos iniciou os seus estudos de contrabaixo. Desde 2010, Benjamim estuda no Konservatorium Wien City da Universidade de Viena e aprecia de sobremaneira as suas aoulas com o professor Senai Harald Putz. Tocou e toca com muitas bandas e diferentes formações. Com apenas nove anos teve a sua primeira banda. Desde aí toca em diferentes estilos musicais do Rock aos Blues ou Pop, um pouco de música clássica straight Punk e Hardcore Music onde também toca guitarra e, claro, desde 2010 Jazz.

     

    Damian Daila Torre, saxofone tenor
    Damien Daila nasceu em 1989 no norte de Itália. Iniciou os seus estudos de saxofone aos 10 anos e rapidamente percebeu que queria ser o saxofonista de jazz. Durante os anos seguintes estudou saxofone com professores reputados de Itália, Alemanha e Áustria dos quais se destacam Helga Plankensteiner, Michael Lösch, Roman Hinteregger e Tom Reinbrecht. Em 2009 foi admitido no “Konservatorium Wien” em Viena e estudou com Andy Middleton, Thomas Huber e Roman Schwaller. Durante os seus anos de estudo teve hipótese de participa em workchops com Eric Alexander, Johannes Enders, Bert Joris, Adrian Mears, Jimmy Cobb etc. Terminou em 2013 os seus estudos de licenciatura com distinção e inicia os seus estudos de mestrado em 2014. Damien reside em Viena e toca em diferentes grupos que vão do jazz à música popular e com os quais se apresenta em concertos por toda a Europa.

     

    Tobias Faulhammer, guitarra
    Atualmente, Tobias Faulhammer estuda guitarra jazz com Claus Spechtl no Konservatorium Wien Privatuniversität de Viena. Toca, desde 2011, na “kons.wien.jazzorchestra” sob orientação de Roman Schwaller, Markus Stockhausen e Mathias Rüegg (Fundador e líder da Vienna Art Orchestra). Desde janeiro de 2012 como guitarrista principal da banda rock austríaca “The Routes”, que ganhou o Prémio Jovem 2013 em Burgendland, Austria, pela participação no primeiro “Jailhousetour” austríaco. Desde 2012 que lidera o seu trio de nome “Tobias Faulhammer Trio”, cujo Cd de estreia está previsto ser lançado no verão/outono de 2013. Participa também em concertos com várias bandas em Porgy&Bess Wien, Konzerthaus Wien e muitos outros locais em Viena e por toda a Áustria.

     

    Lukas Heinzl, trombone
    LuKas Heinzl nasceu, no seio de uma família de músicos, em 1992 em Horn (Austria). Com 6 anos teve aulas de canto e flauta de bisel. Com nove anos iniciou os estudos de eufónio. Rapidamente começou a tocar nas bandas de metais locais e na prestigiada Symphonic Brass Orchestra Retz. Aos 14 anos ganhou o primeiro prémio no “Prima La Musica”. Desde esta idade o seu instrumento principal passou a ser o trombone tenor. Foi vendedor aos 16 anos de idade do prémio solista no “Podium.Jazz.Pop.Rock”. Os seus professores principais têm sido Otmar Gaiswinkler e Erik Hainzl. Ganhou grande experiência orquestral com a Lower Austrian Youth Symphony Orchestra. Como trombonista solista tocou nos projetos Big Band Krem e na prestigiada kons.wien.jazzorchestra. Também ganhou experiência musical com Phil Wilson, Roman Schwaller, Mario Gonzi, Arnoldo Moreno, Thomas Gansch e Andy Middleton. Em janeiro de 2013 iniciou o seu quarteto de etno-jazz The Birth Quartet.

     

    Martin Gasser, saxofone alto
    Martin Gasser nasceu em 1990 em Villach, Áustria. Atualmente vive em Viena.
    Começou a tocar saxofone com 10 anos. Depois de alguns anos de educação musical clássica começou a estudar jazz, assim que ouviu pela primeira vez um disco de Charlie Parker. Martin foi galardoado, por duas vezes, com uma bolsa para jovens dotados da cidade de Carinthia e participou localmente, com sucesso, em vários concursos para jovens músicos como o “Prima-La-Musica” ou “Musik in kleinen Gruppen” tocando a solo ou em quarteto de saxofones.
    Entre 2006 e 2009, enquanto terminava o liceu, estudou com Michael Erian no Carinthian State Conservatorium de Klagenfurt. Em seguida e até 2011 estudou no Vienna Conservatory Private Universityna classe do professor Thomas Huber. A partir deste ano estudou com Andy Middleton com quem se graduou em 2013. Em fevereiro de 2012 ganhou um prémio no “Fidelio-Competition” com o seu projeto de arte performativa “Electric Echo – In & out of order” em que combina o saxofone alto e EWI (electric wind instrument).Martin também toca estes instrumentos no seu Cd de estreia “Laubwald” com o “Modern-Shape Quartet”.
    Foi membro da Orquestra de Jazz Europeia em 2012 e da Orquestra Mundial de Jazz em 2013. Participou no IASJ-Meeting 2012 em Graz e no “Generations Festival” em Frauenfeld,Suiça.
    Martim toca como músico de apoio de Toman Schwaller, Daniel Nösig, Michael Erian, Rob Bargard, Christoph Chech, entre muitos outros.

     

    Peter Primus Frosch, bateria
    Nasci a 11 de Dezembro de 1990. Iniciei os meus estudos de bateria com 5 anos de idade. Entre 1998 e 2009 trabalhei com os professores Bernd Rommel e Johannes Bohun na escola de música local em Heidenreichstein. Desde o Outono de 2010 que estudo bateria no Conservatório da Universidade de Viena com Mario Gonzi. Em 2010 participei na “Fidelio Competition” com o meu projeto “Electric Echo – In And Out Of Order”. Na final vencemos também o prémio do público. Também recebi o prémio de “mais promissor” no “Marianne Mendt Jazznachwuchsförderung” e, no ano passado, com o quarteto Lukas Oravec ganhei o “New faces of Slovak Jazz”. Nos últimos anos tenho tido o privilégio de participar no workshop Generations Masterclass em Frauenfeld onde tive a oportunidade de trabalhar com Louis Hayes, David Hazletine, Peter Washington e Adrian Mears. Este Verão participei no encontro IASJ em Aarhus como representante da minha Universidade. Durante o meu percurso tive o privilégio de tocar com: Roman Schwaller, Clemens Salesny, Jure Pukl, Daniel Nösig, Oliver Kent, Franz Hautzinger, Raphael Preuschl, Peter Rom, Lukas Oravec, Uli Langthaler, Stefan Pista Bartus etc.

     

    Richard Köster, trompete
    Richard Köster nasceu na Alemanha em 1991. Iniciou os seus estudos de trompete com 10 anos. Nos anos seguintes teve oportunidade de trabalhar com reconhecidos músicos de jazz alemães e austríacos, tendo-se tornado membro da Bavarian Youth Jazz Orchestra. Em 2011 foi admitido no Konservatorium Wien em Viena onde estuda atualmente com Jörg Engels. Integra vários projetos e grupos na Alemanha e na Áustria com sonoridades que vão do jazz à música popular.

     

    Stephan Plecher, piano
    Nasceu a 9 de setembro de 1990 em Cham (alemanha) Estudou piano entre os anos de 1995 até 2010, começando o seu envolvimento primeiro com os blues e boogie-woogie, mais tarde quando tinha 13 anos. Os seus estudos de piano desenvolveram-se sob a orientação de vários professores dos quais se destacam Rob Bargad e Richie Beirach. É membro da Bavarian Youth Jazz Orchestra (orientada por Harald Rüschenbaum) desde os 15 anos tendo realizado workshops e concertos com Claudio Roditi e Jay Ashby. Foi premiado com o primeiro prémio no Bavarian Youth competition „Jugend Jazzt“ na categoria de jazz piano (2006), no mesmo concurso mas em 2008 ganhou o primeiro prémio na categoria de ensemble com a sua banda “ Station 5”. Foi premiado também no concurso internacional de bandas jazz Startbahn Jazz em Straubing (Alemanha) em 2010. Entre 2007 e 2010 realizou estudos de piano jazz no Musikhochschule Nürnberg (Alemanha) com o professor Martin Schrack e desde 2011 estuda no Konservatorium Wien Privatuniversität em Viena, Áustria com Aaron Wonesch. Nesta mesma escola estuda desde 2012 composição jazz e arranjos com Andy Middleton. Em 2012 foi selecionado como participante para o 22º encontro internacional da Associação de Escolas de Jazz que tem como diretor artístico Dave Liebman.

     

    Tobias Faulhammer, guitarra
    Atualmente, Tobias Faulhammer estuda guitarra jazz com Claus Spechtl no Konservatorium Wien Privatuniversität de Viena. Toca, desde 2011, na “kons.wien.jazzorchestra” sob orientação de Roman Schwaller, Markus Stockhausen e Mathias Rüegg (Fundador e líder da Vienna Art Orchestra).
    Desde janeiro de 2012 como guitarrista principal da banda rock austríaca “The Routes”, que ganhou o Prémio Jovem 2013 em Burgendland, Austria, pela participação no primeiro “Jailhousetour” austríaco.
    Desde 2012 que lidera o seu trio de nome “Tobias Faulhammer Trio”, cujo Cd de estreia está previsto ser lançado no verão/outono de 2013. Participa também em concertos com várias bandas em Porgy&Bess Wien, Konzerthaus Wien e muitos outros locais em Viena e por toda a Áustria.

     

    Konservatorium Wien University, Áustria
    Viena é muitas vezes vista como a capital musical do mundo – mas a cidade é, de fato, o lar de um espectro excepcionalmente rico de atividade em todos os domínios culturais.
    Não é de admirar, então, que o Vienna University Konservatorium pode oferecer programas de formação de nível mundial para instrumentistas, cantores, bailarinos e atores. Todos os anos, cerca de 850 jovens de mais de 50 países estudam com cerca de 250 artistas e professores de renome internacional.
    Os cursos no Vienna University Konservatorium oferecem uma oportunidade para alcançar credenciais para ensino altamente qualificados, artístico e / ou música. Eles formam a base para as atividades artísticas e / ou de ensino independentes, e através do exame crítico de arte, as questões didáticas e académicas contribuem para a investigação e desempenho das artes.
    A localização central da unidade principal e a sua proximidade geográfica com importantes instituições culturais – como o Musikverein, o Konzerthaus, a Ópera Estatal de Viena e do Teatro de Viena – facilita o intercâmbio e a cooperação profissional e académica.